O envelhecimento da pele tem prevenção!

Conhecer a causa torna o tratamento mais eficaz

Sempre conversamos sobre o envelhecimento da pele e as maneiras de contorná-lo, ou de amenizar seus sinais. Contudo, é importante explicar como ele acontece, pois assim podemos evitar as causas e descobrir quais os melhores tratamentos para cada caso.

Existem duas causas básicas, as intrínsecas (de dentro para fora) e as extrínsecas (de fora para dentro).

– Envelhecimento intrínseco:

é o cronológico, principalmente genético. Com o passar do tempo, os efeitos da gravidade fazem com que a pele tenda a cair. Também estão associados os hormônios e a diminuição da capacidade de renovação celular por parte do corpo, visto em todo o organismo. O efeito cronológico mostra rugas, ressecamento da cútis e menor espessura da pele.

Outros fatores importantes são as escolhas do que entra no organismo. Excesso de açúcar e glicose são fundamentais para a vida celular, contudo seu excedente pode causar doenças (como o Diabetes) e a oxidação celular, responsável pelo envelhecimento precoce.
Os hormônios são reguladores e nas idades mais avançadas, eles diminuem afetando a renovação das células e com isso a deterioração da pele.                                                         Descobertas recentes mostram o envelhecimento ósseo atuando no envelhecimento cutâneo, pois as estruturas se tornam mais finas e se deslocam para baixo, da mesma forma que a gordura. O rosto é formado por uma malha de células adiposas, e com o tempo a gordura se desloca e diminui, ocorrendo a projeção da face para baixo (assim como no resto do corpo).

– Envelhecimento extrínseco:

causado por agentes externos ao corpo, sendo a radiação solar o principal deles. Toxinas como poluição, cigarro, álcool, entre outros, são importantes na degradação celular, inclusive em acelerar o processo do envelhecimento.
Os raios solares atuam em queimaduras, fotoenvelhecimento, aparecimento de manchas e até câncer de pele. Os efeitos nocivos da exposição ao sol sem proteção são cumulativos e potencializam o surgimento de rugas.
Cigarro e álcool são danosos à pele e aos outros órgão do corpo também. A fumaça do cigarro e seus componentes diminuem o fluxo sanguíneo, diminuindo a oxigenação correta das celulas epiteliais. Já o álcool altera a produção enzimática e influencia na produção de radicais livre. A única exceção é o vinho tinto, que tem anti-radicais livres, mas deve haver moderação em consumo.
Os radicais livres são formados pela ação do estresse, poluição, raios UV, etc. Eles são os principais agentes do envelhecimento cutâneo, pois degradam o colágeno – substância de sustentação da pele.
O próprio movimento muscular forma vincos e marcas de expressão, que futuramente vão se transformar em rugas permanentes.                                                                                                         No caso dos fatores extrínsecos a pele se mostra manchada, com rugas e sulcos mais evidentes, poros entupidos e dilatados, além do ressecamento. 

É importante lembrar que a alimentação é um importante regulador da pele. Se a alimentação é saudável, equilibrada, rica em água, verduras, frutas e legumes; e pobre em açúcares refinados, refrigerantes e industrializados, a pele também irá se beneficiar. Isso acontece, devido aos nutrientes e vitaminas advindos da comida, que compõem as estruturas celulares. 

Sabendo a causa, o tratamento é mais preciso e traz resultados mais satisfatórios. Dessa forma, é possível prevenir o envelhecimento e permitir que ele seja natural.

 

COMENTÁRIOS