Melasma não tem cura, mas tem tratamento

As manchas escuras na pele podem ser controladas! Saiba mais sobre o Melasma

 

Muito comum no verão e em grávidas, o melasma é o vilão da pele bonita e uniforme, atinge principalmente as mulheres e pessoas com tons de pele mais escuras. Porém existem maneiras de driblar essa doença e melhorar o aspecto da face.

 

O que é

Melasmas são manchas castanhas, mais escuras que a pele, e que ainda não têm cura. São mais comuns em mulheres, cerca de 90% dos casos, pois está associada a mudanças hormonais, gravidez (cloasma gravídico) e pílulas anticoncepcionais. Mas também tem outras causas como a exposição solar excessiva e sem fotoproteção e predisposição genética. Geralmente atingem o rosto, colo e braços, que são as áreas mais expostas do corpo; podem ser simétricas (aparecer em ambas as bochechas, por exemplo), e embora, não afetem a saúde geral, as manchas causam muito incomodo nos pacientes que são diagnosticados com melasma.

 

Quando aparecerem manchas escuras na pele, o ideal é procurar um médico dermatologista, pois podem ser causadas por vários motivos, podendo até não ser um melasma. Somente um profissional qualificado saberá diagnosticar com precisão qual o tipo de mancha. Também é essencial proteger a área afetada do sol, usando filtro solar com proteção química e física, os mais indicados são protetores solares com cor, que fazem uma barreira física na pele, impedindo a ação de luzes visíveis, como a luz artificial. Não se automedique e não faça procedimentos estéticos antes de se consultar, pois alguns lasers fracionados e luz pulsada podem piorar o quadro, já que agridem os melanócitos.

 

Tratamentos

Apesar de não ter cura, o melasma pode ser controlado e melhorado, porém, esse controle deve ser constante; uma vez com melasma, sempre com ele. Cada tratamento irá depender da profundidade da doença. O melasma epidérmico atinge a camada mais superficial da cútis, sendo mais fácil de ser tratado, já o dérmico atinge as camadas mais profundas, e o melasma pode ser de caráter misto também, estando em várias camadas da pele.

Pode ser recomendado o uso de cremes tópicos com efeito clareador, com princípios  ativos à base de hidroquinona, ácido retinóico, ácido glicólico, entre outras substâncias. Também podem ser prescritos peelings, contudo deve ser com cautela, pois peelings muito agressivos podem piorar as manchas, visto que a pele está sensibilizada.

Há possibilidade de tratamento com laser, e como já foi mencionado, alguns não funcionam e até pioram o melasma, por isso é essencial a presença médica nessa etapa. O laser que têm mostrado bons resultados é o moderno Q-Swiched fracionado, mas existem outros que também são eficientes para o tratamento.

 

Cuidados

Grávidas devem ter cuidado redobrado, pois devido à gestação, serão poucos os procedimentos possíveis, contudo, poderão ser feitos mais tratamentos após a gravidez. Gestantes, em especial, devem conversar com dermatologista e obstetra, para saber a situação do bebê e da pele.

Se o paciente já tem melasma a principal indicação pós diagnóstico é usar filtro solar diariamente, duas vezes ao dia, com proteção química e física, com FPS mínimo 30. E se ainda não tem a doença, deve realizar o mesmo passo para evitar o aparecimento de manchas e de outros problemas de pele advindos da luz solar e visível. Não use cremes que prometem clarear a pele e solucionar o problema sem antes conversar com seu dermato, pois algumas substâncias, mesmo que tópicas, podem agravar a situação.

Embora incomode muito os pacientes e influencie na auto estima, o melasma pode ser controlado e melhorado, desde que siga à risca as instruções médicas. Isso ocasiona melhora da pele em geral e aumento da qualidade de vida.

 

COMENTÁRIOS